Links Úteis

Links interessantes relacionados ao Niterói Jeep Clube.

Pousada do Morro Verde

ATENÇÃO JIPEIROS:
O NJC fechou uma parceria com a POUSADA DO MORRO VERDE que fica localizada na Serra da Mantiqueira e destina-se ao público Off Road. É uma das pousadas campestres mais altas do Brasil, fica a 1.700 metros de altitude e o acesso é exclusivo para veículos 4x4.
Os sócios em dia do NJC, terão um desconto especial de 10% no valor da diária.
Para maiores detalhes acessar o site: http://www.pousadadomorroverde.com.br
Reservas: Telefone 0xx 32 9932-7708 ou reservas@pousadadomorroverde.com.br
 

Breve histórico sobre o Jeep

Interessantes imagens publicadas pela 5KNA Productions sobre o Jeep.

 

Material encaminhado pelo Rui Lopes de Carvalho.

 

Em complemento, reportagem da Revista 4 Rodas de Julho 2007 (Por Arnaldo Keller / Christian Castanho), parcialmente transcrita :   

"Em 1936, nos desenhos do Popeye aparecia o personagem "Eugene the Jeep", um animal mágico que, com seus poderes, vivia tirando o marinheiro das enrascadas. O Jeep nunca mentia, portanto, podia-se confiar no bicho. De tão útil e simpático que era, seu nome logo se popularizou, a ponto de os soldados americanos apelidarem de "jeep" tudo quanto era máquina militar boa e salvadora, de trator a avião. Em 1941, para impressionar, a Willys-Overland mandou que o piloto de testes subisse com seu novo veículo as escadas do Capitólio, na capital americana. Após a façanha, ao ser entrevistado pelo Washington Daily News, perguntaram qual era o nome do fantástico veículo. "Isto é um jeep!", disse o piloto. Foi o que bastou para o apelido pegar.


O Jeep não foi o primeiro 4x4 da história. Antes havia caminhões e outros veículos militares pesados com esse recurso - mas nenhum ágil e leve o bastante para ser sacado de um atoleiro "no braço" pelos soldados e que servisse como um rápido veículo de reconhecimento. Assim, a partir dos anos 30, o Exército americano começou a estudar as opções.

Em 1940, a American Bantam Car Co. recebeu a visita de militares para a vistoria de seu protótipo. Eles gostaram, mas não acreditavam que ela pudesse produzi-lo em grande número. Com pressa, o Exército enviou o projeto da Bantam a outros 135 possíveis fornecedores. Pediu melhorias e exigiu certas especificações. Deveria atingir 90 km/h, ter caixa de marchas com reduzida, 203 centímetros de entreeixos e 1 metro de altura com o pára-brisa baixado, além de carregar uma metralhadora calibre "ponto-30".

O Exército abriu uma concorrência para a compra de 16 000 veículos. Para participar, era necessário apresentar 1 500 unidades prontas para teste até julho de 1941. Só três fabricantes concorreram: Bantam, Willys e Ford. O Ford foi considerado o mais confortável e o Bantam, o de melhor suspensão e dirigibilidade, além de mais econômico. Mas quem venceu foi o Willys, pelo chassi mais robusto e motor mais potente (60 cv, contra 45 dos rivais), o que lhe dava desempenho superior, mesmo pesando cerca de 200 quilos a mais. Além disso, seu torque 25% mais alto garantia força extra na hora de rebocar carretas ou canhões.

Assim, o modelo da Willys entrou em produção, denominado MB - ou, como ficou mais conhecido, simplesmente 42. No esforço de guerra, a Ford fabricaria o projeto, praticamente idêntico, para que as peças fossem intercambiáveis. Esse levava o nome de GPW, "General Purpose Willys", o que levou muita gente a crer que foi daí que veio o nome Jeep, pois as iniciais GP em inglês soam como "ji-pi".

Quando os veículos chegaram ao front, tornaram-se um sucesso imediato entre as tropas. Mesmo após a Segunda Guerra, ele continuou combatendo ao lado dos soldados americanos por quase 50 anos. O Jeep e sua linhagem de descendentes só seriam tirados da ativa em 1985, com a chegada do Humvee, a versão militar do Hummer." 

Emoção Garantida!